FORMAÇÃO
— Luciano Komirchuk: guitarras
— Rafael Walter: bateria
— Nicolas Fish: guitarras
— Mateus Valente: baixo

LINKS
Facebook
YouTube

CÉU DE VÊNUS EM UMA MÚSICA

CÉU DE VÊNUS EM 5 MÚSICAS

DISCOGRAFIA
Introspectro (2017)

VIDEOGRAFIA
— “Movimento” (2017)

CONTATOS PARA SHOWS E IMPRENSA
— Elson Barbosa: (11) 9-9211-4594
— Lucas Lippaus: (11) 9-5132-0916
— sinewave@sinewave.com.br

PRESS KIT
Foto em Alta
Release (PDF)

CÉU DE VÊNUS EM TRÊS ATOS

Céu de Vênus vem de Curitiba, celeiro de várias bandas da Sinewave (ruído/mm, This Lonely Crowd, Black Sea, Giant Gutter From Outer Space);

Introspectro, lançado em 2017, é o primeiro EP da banda;

— Todos os quatro integrantes são estudantes universitários de música.

RELEASE

A Céu de Vênus é uma banda instrumental de Curitiba (PR) que visa proporcionar através de suas músicas sensações ímpares a seus ouvintes. Criando paisagens sonoras que passeiam entre a calmaria de timbres cristalinos e o caos ofuscado por delays e reverbs, busca despertar e aflorar sentimentos e reflexões aos ouvidos mais aguçados. Com a formação clássica de duas guitarras, baixo e bateria, as harmonias e melodias são construídas com a cor característica do post-rock, agregando (aos ouvidos e quadris) elementos do math rock, isso sem deixar de apresentar ligeiros flertes com grooves e ritmos brasileiros.

A banda foi formada em 2014 por Luciano Komirchuk na guitarra e Rafael Walter na bateria, a princípio com a proposta de se manter como um duo, mas no decorrer dos anos se assumiu como um quarteto com a entrada de Nicolas Fish na guitarra e Matheus Valente no baixo. Para o lançamento do primeiro EP, Introspectro, a banda conseguiu uma parceria com o selo Sinewave, um dos principais selos de música independente do Brasil. Além da amizade e do entrosamento musical entre os integrantes, o que também os une é o fato de serem todos estudantes universitários de música.

No EP de estreia da banda, Introspectro (2017), é apresentada para o mundo a pintura sonora produzida pela Céu de Vênus durante todo o ano de 2016. As músicas foram moldadas em um espaço de colaboração coletiva, onde cada membro pôde pincelar um pouco de seus universos individuais criativos, sempre atentos a pequenos detalhes, colorindo nuances, adicionando planos e camadas, dando forma e vida cada obra, criando identidades particulares à cada música.